Conheça o poder do call to action


Se sua empresa já possui um site ou blog e você ainda coça a cabeça quando se depara com a tão discutida abreviação “CTA” (Call to Action, ou chamada para a ação), talvez seja a hora de parar e reavaliar toda sua estratégia de marketing digital. É que esses botões ou banners conhecidos como call to action são determinantes para que a taxa de conversão do seu negócio seja realmente um sucesso, pois são um dos responsáveis por enviar o tráfego direto para as landing pages.

Neste post, você vai conhecer um pouco mais sobre o poder do call to action para fazer com que os visitantes se movam dentro do seu funil de vendas, gerando resultados expressivos para sua empresa. Confira:

A conversão de leads

Gerar leads é (ou, pelo menos, deveria ser) o objetivo primário de uma estratégia de marketing digital.Mas, para que os visitantes atraídos pelo seu conteúdo desçam pelo funil de vendas e interajam com landing pages a ponto de se transformarem em leads qualificados, é preciso dotar todas as páginas e posts do seu site ou blog com dispositivos que incentivem uma ação por parte do usuário, função essa que cabe aos CTAs.

Para convencer o usuário a clicar, os botões de CTA precisam se destacar em termos de layout (cores destoantes) e conteúdo (texto conciso e atraente), sendo inseridos em locais estratégicos do campo de leitura do internauta.

Afinal, você não quer produzir um conteúdo qualificado para que seus visitantes entrem e saiam das suas páginas sem deixar nenhum rastro, quer?

Os tipos de CTA

Uma vez que os CTAs conseguem deixar claro o objetivo de incentivar uma ação, não existem regras rígidas para a composição desses botões além daquelas citadas acima.

Na verdade, a eficácia dos call to actions vai depender muito mais da adequação deles à posição ou fase em que visitantes e leads se encontram no funil de vendas. Veja abaixo:

Fase 1: atração

Nessa fase, a comunicação precisa ser estabelecida com visitantes que manifestam um tipo de problema que ainda não sabem nomear. Portanto, os CTAs devem ser colocados propositalmente na home do site ou dentro de blog posts (no meio do texto, nas laterais ou no rodapé) de forma a incentivar que o visitante se aprofunde mais no tema daquele artigo ou página, evidenciando os benefícios que ele terá, caso decida clicar no botão.

Vale destacar que especialistas recomendam até 150 caracteres como tamanho ideal para a chamada de um call to action.

Fase 2: conversão

Aqui, o visitante já realizou a primeira interação com o seu conteúdo, possivelmente deixando nome e e-mail em uma landing page em troca de uma oferta (e-book, infográfico etc). Isso significa que ele já se movimentou no seu funil de vendas e se encontra na fase de conversão.

A finalidade do CTA, em conjunto com a landing page, é ampliar a qualificação dessa nova lead para que ela chegue à derradeira fase de decisão com muito mais disposição de fechar uma compra.

Dessa forma, o CTA pode ser um pouco mais incisivo, com um texto que reflita as vantagens de determinado produto ou serviço ou mesmo em formato de vídeo ou webinar.

Fase 3: decisão

Se sua lead gerada com tanto custo está a um passo de entrar em contato com sua equipe de vendas, é hora de comemorar — ou quase! Nessa fase crucial, o CTA servirá como um acessório que encaminhará a lead para fechar a compra, levando o potencial cliente para uma landing page que ofereça uma demo ou tutorial do seu produto ou serviço ou ainda apresente testemunhais de outros clientes.

A etapa de decisão pede CTAs com textos um pouco mais sucintos e objetivos, do tipo “Faça agora sua inscrição”, já que, a essa altura, a lead tem uma boa ideia do que quer.

Depois de alinhar os CTAs à sua estratégia, o ideal é que você nunca deixe de monitorar a performance de cada página. Muitas vezes a simples troca de uma cor ou de um texto do botão impacta diretamente nos cliques.

Portanto, se quiser que seu negócio bata recordes de conversão, jamais subestime o poder do call to action!


Featured Posts
Recent Posts